quinta-feira, 3 de outubro de 2013

Ele se foi...

Dizem que desde tempos antigos as pessoas pintam os olhos e rosto, dizem também que esse costume é de guerra, será que hoje é dia de guerra? Todo dia  é dia de guerra...pensava eu enquanto me pintava para ver meu pai no hospital na terça-feira, dia fatídico, dia 1 de outubro de 2013.
O dia havia amanhecido com uma leve chuva, eu me sentia um pouco cansada e pensei em ficar na cama por mais 5 míseros minutos, quando olhei pela janela e senti o vento, pensei que ele pudesse estar sentido frio no hospital, mas sabia que a Enite jamais deixaria isso acontecer. Voltei a fechar os olhos enquanto me animava pra levantar, eu tinha plena convicção de que o veria, de que ficaríamos alguns minutos naquela manhã juntos. Enfim levantei-me e foi ai que venho o pensamento da pintura dos olhos, seria aquele o dia de guerrear?
Enquanto caminhava até o hospital ia me perdendo num pensamento e outro, querendo cada vez mais chegar rápido...tarde demais..ao chegar lá fui querendo entrar enquanto via seus óculos embrulhado num guardanapo serem entregue a Alexandra (esposa do meu irmão mais velho), fui logo aflita perguntando se ele estava no quarto e ela disse que não, ele faleceu. Como poderia? Eu havia me atrasado apenas alguns minutos com relação ao dia anterior, mas agora eu já havia chegado, eu tinha que ve-lo, quando sai de lá a noite no dia anterior eu havia dito que voltaria...mas não deu tempo...a morte implacável e cruel o levou, ainda que ele nunca tenha sido meu...
Por vezes na vida choramos de saudade, de vontade de ter de novo, de querer reviver...eu nunca pude ter esse sentimento com ele, muito embora eu sinta saudade do que não tive, eu sinto saudade de todos os sorrisos que não ganhei, de todas as palavras que não foram ditas para mim, de todos os abraços apertados que não recebi...sinto saudade...muita saudade. E a pergunta que me permeia é: o que farei quando eu for em Três Marias e quiser ve-lo? O que farei com minha vontade louca e constante de querer te-lo como meu pai? Aquele vontade mista de esperança que sempre carreguei comigo...o que fazer agora? Onde depositar todos os sonhos que carrego no coração desde tão criança? Como realiza-los? O que fazer meu Deus?
Há certas tristezas na vida como a de perder, de nunca ter, e ainda que fosse assim até o dia em que eu morresse seria mais feliz, porque agora o que eu nunca tive, eu consegui a proeza de perder pra sempre. Eu consegui a grande façanha da vida.
Do que me adiantou parar um dia e escrever todos os meus medos e o pior deles ser o de perde-lo? Pra quem vou contar que tirei a cnh?E quando tiver um filho ele não terá avó...e a velha história do tripé manco perpetuara. E de tanto repetir nossa história pra tantas pessoas, acho que virou até prece. E pedi tanto que orassem e por tantas vezes e pra tenta gente achando que um dia seria diferente...mas não foi...e do mesmo modo que começou também terminou...e da mesma forma que chorei ao ve-lo pela primeira vez, chorei ao quere-lo em tantas outras, chorei também ao saber que havia perdido pra sempre, de vez...foi o mesmo choro, o mesmo motivo, a mesma agonia.
E quando olho para o passado eu não me culpo por nada, sei que tentei, fui ate onde não devia, eu dei o meu melhor só pra ve-lo olhar pra mim por dez minutos e ter amor. E agora que tudo acabou, que nenhum sonho mais resta, que a esperança se findou e só posso confiar em Jesus e esperar que um dia ele me explique porque meu sonho maior da vida nunca pode ser concretizado, o porque meu relacionamento mais difícil não foi melhorado. Como eu o amei...
E pra cada tristeza meu Deus tem me dado duas alegrias, e infelizmente agora que o perdi descobri que tenho uma família grande, cheia de tios e primos e filhos dos primos...gente tão querida, tios tão amados que me abraçaram de uma forma que meu pai nunca o fez, que me sorriram...coisa simples e grandiosa que eu precisava a tempos...e foi assim que perdendo quem eu tanto quis por tanto tempo que ganhei uma família maior...
E eu sei que cada vez que olhar no rosto deles eu vou enxergar meu pai, na expressão, num gesto em alguma palavra e isso vai doer pra sempre...e eu vou chorar.

E foi assim que teve fim o que não teve começo.


“Escrevo porque palavra guardada dói e te mata de pouquinho em pouquinho.” Deuza Alcantara

4 comentários:

  1. Meus sentimentos amiga.. ='(
    Que Deus te dê forças.

    ResponderExcluir
  2. Então, esse papo do papel de parede é verdade. Tipo ele dá um trabalho considerável pra ser retirado da parede e pra ficar lisinho tem que lixar sim. Sabe quando vc coloca papel na parede e depois que tenta tirar fica uns pedaços? É tipo isso só que eu maior proporção, rsrs.

    Mas assim, como papel de parede é uma coisa cara, eu não to pensando em quando eu for tira-lo, até pq a ideia é que o papel fique ainda um bom tempo na parede, rsrs

    ResponderExcluir
  3. Hauhau eu nunca sei onde responder os comentários, então vou responder por aqui mesmo. :)

    Então o cortisol é um hormônio esteroide que serve pra controlar o estresse, depressão, etc parece que alguns exames de depressão são obtidos com o resultado da medição do cortisol ao longo do dia. No caso, a médica me deu uma receita pra mandar manipular (acho que não tem pra vender na farmácia). Já a prednisona é um corticoide sintético.
    Na época da toxo a oftalmo me mandou tomar Bactrim F que eu acho que é só bactericida.

    Gente como eu sou bichada! Hauhau

    ResponderExcluir

Escrevinha comigo!!!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...